Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/123456789/97
Título: ESTADO DE CONSERVAÇÃO DAS TARTARUGAS NIDIFICANTES DA ESPÉCIE CARETTA CARETTA (LINNAEUS, 1758) NA ILHA DE SANTO ANTÃO – CABO VERDE
Autor(es): Abu-Raya, Mestre Mara
Andrade, Hélder
Palavras-chave: Bacharelato Biologia Marinha e Pescas
Caretta caretta
taxa de eclosão
inundação
rastro
Data do documento: 7-Mai-2013
Resumo: O presente estudo foi realizado na ilha de Santo Antão, Arquipélago de Cabo Verde, localizada a Noroeste no grupo do Barlavento. Ilha de origem vulcânica com elevadas montanhas que não alberga grandes praias arenosas. A partir do 8 de Agosto de 2005, por lei1 as tartarugas marinhas estão protegidas ao longo de todo o ano. Apesar da legislação existente e dos esforços de instituições do Estado (DGA2, DGP2, INDP2) e algumas ONGs (PRCMC2) de conservação, este grupo de animais continua sendo aquele descrito por Schleich (1996), na primeira lista vermelha, considerados em perigo de extinção. Neste sentido o INPD, desenvolveu uma Campanha de Conservação das Tartarugas Marinhas. Enquadrado neste projecto desenvolveu-se este trabalho, com o objectivo de contribuir para a caracterização biológica da população de tartarugas nidificantes (Caretta caretta) na ilha de Santo Antão. O trabalho foi realizado no período de Julho a Outubro de 2007. Nas praias situadas no Norte da ilha realizaram-se amostragens intensivas, e nas do Sul as amostragens foram extensivas. No Sul foram registadas como capturadas 32 carapaças de tartarugas da espécie Caretta caretta, foram contados um total de 47 rastros antigos e 20 novos. Para o Norte registou-se um total de 60 rastros e 25 ninhos, correspondentes a 41% do total de rastros registados. Apenas foram marcadas 4 tartarugas. O tamanho médio das posturas foi de 79 ovos/ninho, com uma média da temperatura do ninho de 30 °C. A taxa de mortalidade nos ninhos foi de 88%, possivelmente como resultado das inundações registadas. Para diminuir a alta taxa de mortalidade nas praias de estudo, recomenda-se realizar uma experiência de incubação artificial (hatchery), afim de aumentar o sucesso das eclosões.
URI: http://hdl.handle.net/123456789/97
Aparece nas coleções:Projecto de Fim de Curso

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Relatorio_TFC_Helder Andrade.pdf1,15 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.